3CE97F5D2239A2AF6BFF8F076536A584 Plano de Aula - A valorização do ser negro e negra no Brasi | Atividades Escolares / Juntos pela Educação Visite-nos no Google+

quinta-feira, 28 de março de 2013

Plano de Aula - A valorização do ser negro e negra no Brasi

,

Plano de Aula

A valorização do ser negro e negra no Brasil

Objetivo Geral:

O objetivo da aula consiste em promover a reflexão sobre as construções
sociais, políticas, históricas, e culturais sobre os sentidos atribuídos ao ser
negro. Romper com formas de preconceito racial no ambiente escolar.
Fomentar o exercício da alteridade e da diversidade entre educandos(as),
professores (as) e funcionários (as) das escolas.

Objetivo específico:

Promover uma reflexão sobre como as crianças e a juventude negra constroem
a sua identidade dentro e fora do ambiente escolar pela percepção do corpo e
do cabelo negro, para além dos padrões estéticos, isto é, como uma
característica da identidade negra vinculada a um processo de desconstrução
de estereótipos.

Prática social inicial do conteúdo

Listagem dos conteúdos: Conteúdos que serão apresentados na aula:
* corpo como representação simbólica;
* relação histórica com o corpo negro;
* significados e sentidos atribuídos ao corpo negro e cabelo crespo;
* relação de preconceito, racismo e discriminação disseminados nos espaços
sociais, principalmente no ambiente escolar e suas marcas na trajetória de vida
dos (as) estudantes;
* outros espaços de ressignificação do ser negro.
Vivência cotidiana dos alunos: Não existe racismo; o cabelo negro é feio e
ruim; noção de que os padrões estéticos são naturais e não construções
sociais.
O que gostaria de saber mais: Desconstruir a ideia de que os preconceitos
contra o corpo e o cabelo negro são naturais. Ao contrário, esta é uma
construção histórico-social, política, cultural e econômica.

Problematização

Por que o corpo fala sobre o nosso estar no mundo? Como usamos o corpo
como representação da nossa identidade? Por que devemos pensar o corpo
negro? Qual a relação histórica da escravidão com o corpo negro? Por que o
cabelo negro é associado ao ruim? Por que é difícil para o(a) negro(a) construir sua identidade? Qual o papel da escola na construção da identidade negra? A
escola tem problematizado as questões do racismo e discriminação?
Dimensão do conteúdo
Dimensão sociológica: qual o conceito de corpo e valor simbólico?
Dimensão social: quais as relações entre a escola e a construção da identidade
do(a) negro(a)?
Dimensão psicológica: como a questão do corpo e a questão do cabelo negro
Atravessam a subjetividade das crianças e da juventude negra?

Instrumentalização

A) Exposição oral;
B) Questões/debates/discussões;
C) Filme “Vista minha pele” e vídeo institucional do Projeto Pixaim.
44 Filme Vista minha pele (MEC) conta uma história invertida, os negros são a
classe dominante e os brancos foram escravizados. Os países pobres são
Alemanha e Inglaterra, enquanto os países ricos são a África do Sul e
Moçambique. Maria é uma menina branca, pobre, que estuda num colégio
particular graças à bolsa de estudos, pelo fato de sua mãe ser faxineira nesta
escola. A maioria de seus colegas a hostiliza, pela sua cor e condição social,
com exceção de sua amiga Luana, filha de um diplomata que, por ter morado
em países pobres, possui uma visão mais abrangente da realidade. Fonte:
Filme e descrição disponíveis em:

debaser/singlefile.php?id=13978.> Acessado em: 18/06/2010. Projeto Pixaim:
é uma iniciativa da CUFA-MT (Central Única das Favelas-MT). Este projeto
busca levar a vários grupos sociais, especialmente às mulheres, a discussão

Catarse

Síntese: O corpo é um elemento de atribuição de valores e significados e, ao
longo da história, diferentes representações simbólicas foram imputadas a ele.
O processo histórico de escravização de negros(as) no Brasil e seus
desdobramentos fizeram com que estereótipos fossem criados em torno do ser
negro. Esses estereótipos são constantemente reconstruídos e reproduzidos
nos espaços sociais, inclusive no ambiente escolar. A associação do cabelo
crespo ao ruim faz parte deste imaginário que inferioriza a condição do ser
negro. Para que a escola não se torne um espaço de reprodução desse imaginário, é necessário incentivar, por parte de estudantes, professores(as)
funcionários(as) e também da família, a problematização da temática racial já
que esta é pouco debatida neste ambiente.
Avaliação: Pedir para que os(as) estudantes produzam um cartaz expressando
suas considerações sobre as questões apresentadas, este cartaz pode ser em
forma de fanzine.(O que são: Os fanzines são veículos de informação que
usam uma linguagem não convencional. São recortes de imagens e
palavras organizadas de modo que não seguem a lógica de jornais
impressos, por exemplo, as figuras são colocadas de maneira que
ocupem todo o papel, sem nenhum espaço em branco, e buscam expor
opiniões. Para ver exemplo de fanzines acesse:
http://outrarevista.com/category/fanzines/;http://metamorfosecrew.blogsp
ot.com/2009/08/1-fanzine-metamorfose-crew.html. Para saber mais sobre
estes acesse: http://www.mood.com.br/3a01/zine.asp.)
Sobre o Projeto PIXAIM: Problematizam os padrões de beleza instituídos na
sociedade e sua relação com as características específicas da estética dos(as)
negros(as). No centro da discussão está o cabelo crespo, também chamado de
“Bombril” e “Pixaim”. O objetivo é oferecer elementos que permitam aos
participantes questionar os padrões de beleza instituídos na sociedade e
pensar sobre estética de uma forma que contraponha o pensamento
hegemônico. Isso é feito por meio de oficinas de tranças afro, Teatro, Leitura e
Bonecas Negras. Por outro lado, o projeto busca a capacitação profissional de
mulheres por meio de oficinas de tranças afro. Desta forma, leva-as a gerar
renda por meio de uma atividade estética que prioriza a valorização da cultura
africana. No bojo das discussões está a idéia contida no livro “Cabelo Ruim? A
história de três meninas aprendendo a se aceitar”, uma história sobre autoaceitação entre crianças negras. Texto retirado do site:
http://www.projetopixaim.blogspot.com/. Para acessar os vídeos institucionais
sobre o projeto ver:
http://www.youtube.com/watch?v=TL1IMqQGuMM&feature=related;
http://www.youtube.com/watch?v=AffBe8q6LDg;
http://www.youtube.com/watch?v=Jl56F7HcgBI&feature=related.Prática social final do conteúdo
Intenções do aluno: Repensar e refletir sobre a representação dos(as)
negros(as) na sociedade e como o corpo e o cabelo interfere na construção de
suas identidades.
Ações do aluno: Identificar os estereótipos vinculados aos negros(as) na
sociedade, principalmente nas escolas, de modo a contribuir para a superação
de situações de preconceito e discriminação.
Referências
BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. Brancos e Negros em São Paulo.
São Paulo: Anhembi, 1971.
BITTAR, Mariluce; ALMEIDA, Carina E. Maciel de. Mitos e controvérsias sobre
a política de cotas para negro na educação superior. Educar em Revista.
Curitiba: n. 28, p. 141-159, jul./dez., 2006.
BENTO, Maria Aparecida Silva. Branquitude – o lado oculto do discurso sobre
o negro. In: Psicologia Social do Racismo: Estudos sobre branquitude e
branqueamento no Brasil. Iray Carone, Maria Aparecida Silva Bento (org.).
Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Discriminação racial e pluralismo nas
escolas públicas da cidade de São Paulo. In: Educação anti-racista: caminhos
abertos pela Lei Federal nº10.639/03. Secretaria de educação continuada,
alfabetização e diversidade – Brasília: Ministério da educação, secretaria de
educação continuada, alfabetização e diversidade, 2005. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/anti_racista.pdf
______. Do silêncio do lar ao silêncio escolar. São Paulo: Contexto, 2000.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido: autenticas de pensar e atuar,pensarse a si mesmo e ao mundo. 6º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
GASPARIN, João Luiz. Uma Didática para Pedagogia Histórico-Crítica.3 ed.
Campinas, SP: Autores Associados, 2002.
GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo:
reprodução de estereótipos e/ou ressignificação cultural? In: 25ª Reunião Anual
da ANPEd, 2002, Caxambu. Anais... Rio de Janeiro:ANPEd, 2002. p. 1-14.______. Juventude, práticas culturais e negritude: o desafio de viver múltiplas
identidades. In: 27a. Reunião Anual da ANPEd, 2004, Caxambu. Anais... Rio
de Janeiro: ANPEd, 2004. p. 1-16.
SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli. Metodologias do Ensino de Sociologia na
Educação Básica. In: Caderno de metodologias de ensino e de
pesquisa.SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli; et al. (org.). Londrina: UEL; SET-PR,
2009.
SILVA, Maria Nilza. Nem para todos é a cidade: segregação urbana e racial em
São Paulo. Brasília, DF: Fundação Cultural dos Palmares, 2006.

0 comentários to “ Plano de Aula - A valorização do ser negro e negra no Brasi ”

network

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...