f Um Professor da USP defende ditadura e alunos fazem protesto - Atividades Escolares / Juntos pela Educação Juntos pela Educação 3CE97F5D2239A2AF6BFF8F076536A584 Um Professor da USP defende ditadura e alunos fazem protesto - Atividades Escolares / Juntos pela Educação

Encontre aqui o que você procura

quarta-feira, 2 de abril de 2014

# NOTÍCIAS

Um Professor da USP defende ditadura e alunos fazem protesto


Os estudantes seguem entrando no local cantando a música “Opinião”, de Zé Ketty, hino da resistência ao regime militar


Fonte:Folhapress


 
O discurso intitulado “Continência a 1964”, escrito e lido por um professor da faculdade de Direito da USP durante uma aula, motivou protesto de estudantes do curso ontem. Um vídeo que mostra o discurso e a consequente manifestação dos alunos foi compartilhado por mais de 4.500 pessoas no Facebook em 12 horas. O vídeo foi feito pela estudante Junia Lemos.
No vídeo, o professor Eduardo Gualazzi lê parte do seu discurso ("A História informa que as tiranias vermelhas terminaram afogadas num Holocausto de sangue e corrupção total") quando estudantes começam a bater na porta da sala de aula e a gritar, simulando sons de uma cena de tortura. Na sequência, os jovens entram na sala vestindo capuzes negros sobre a cabeça. O professor, nervoso, tira o capuz de uma das alunas e tenta segurar o braço de outro jovem.
Os estudantes seguem entrando no local cantando a música “Opinião”, de Zé Ketty, hino da resistência ao regime militar. Segundo a estudante do 3º ano do curso Camila Sátolo, 22, uma das organizadores do ato, o professor já vinha anunciando aos alunos que faria uma “aula especial” no aniversário de “50 anos da revolução”. “No dia em que a gente está fazendo atos de memória pela resistência à ditadura, não podemos deixar um professor falar sobre um regime que infringiu os diretos humanos comprovadamente”, disse.
Camila Sátolo diz que o grupo que mobilizou os estudantes, chamado coletivo Canto Geral, pretende entregar o discurso do professor impresso em papel timbrado da faculdade e registrado em cartório à comissão de ética da USP. A estudante Érica Meireles, 23, participou do ato e repreende a atitude do professor. “Os estudantes tinham que se organizar para mostrar uma opinião contrária. Ele não poderia simplesmente entregar aquele material, referente a um período em que a gente sabe que não havia um Estado democrático de direito”, diz. Segundo as estudantes, o professor deixou a sala no meio do ato e não voltou para continuar a aula.
A reportagem entrou em contato com a USP, mas até a publicação da reportagem não obteve retorno. 
Postar um comentário

network